O carro fechado.

20 Novembro 2006 Por Adriano Afonso

Os automóveis podem ser um sistema tão fechado como o que estamos habituados a ver num sistema closed source. Imaginem que vão numa Sexta-Feira em direcção a um festival de verão, e ao abrirem o vidro eléctrico, ouvem um estalo e o vidro pára. Assustados, tentam de imediato perceber o que se passa, tentado, de forma inútil fechar o vidro com o comando. Param na próxima estação de serviço da auto-estrada e depois de alguns telefonemas, percebem que a assistência em viagem obviamente não repara este tipo de problemas! Desesperados, porque já estão atrasados, tentam resolver o problema pelos próprios meios. Primeiro procurar o sítio de onde abrir o plástico que envolve toda a estrutura de elevação, procurar por parafusos que possam ser desapertados, uma forma de fechar o vidro de forma manual. Uma chave de parafusos para o parafuso encontrado. Mais uma vez todos os meus esforços foram em vão, pois com tudo o que tinha à mão, era de todo impossível resolver o problema. Opções; encontrar uma oficina aberta ás 8:00 da noite, voltar para casa, continuar e correr o risco de ter dois dias o carro completamente aberto. Das opções, só a segunda era mais plausível, mas como sou persistente e nunca gostei de desistir e baixar os braços perante um problema, depois de uma ida à casa de banho, decidi tentar fechar o vidro com as próprias mãos, puxando-o para cima. Valeu-me a ajuda de um rapaz que passou, deu outro estalo, mas o vidro fechou.

Será que para resolver um problema do que quer que seja de uma marca, vamos ter sempre que esperar que eles nos resolvam, pois não temos outra hipótese?

Por alguma razão ainda gosto de andar de bicicleta!