Porque é que Portugal precisa de adoptar Software aberto/livre?

LibreOffice
Suite LibreOffice

A discussão entre software livre e software proprietário tem sido um jogo de monopólio disputado  entre vários peões, mas o que tem acontecido é que apenas um dos jogadores tem arrecadado o dinheiro. Portugal e os Portugueses, sem dúvida não é esse jogador.
Hoje estamos numa situação (económica) em que não nos podemos dar ao luxo de jogar “jogos de azar”, temos de mudar, e depressa, começando pela nossa mentalidade e pelas nossas opções.

Gostamos de importar conteúdos que tem tido bastante sucesso, gostamos de importar a melhor moda, mas não sabemos que os melhores sapatos do mundo são feitos aqui. Está na hora, de nós e o governo, importar também o que de muito bom se tem feito lá fora no diz respeito ás tecnologias de informação, utilizado também o que de melhor se produz cá.

Muitos de nós, e infelizmente formadores e professores, exactamente aqueles que são responsáveis pela educação dos nossos filhos, não sabem, ou não se preocupam em conhecer outras soluções. Talvez, se colocar-mos a questão de outra forma, consegue-se chegar ao cerne da questão. Será que algum de nós tem a ideia de quanto o nosso governo gastou em licenças de software (basta que multiplique cada computador por mais ou menos 300€/400€) nas nossas escolas?  Todo esse dinheiro podia ser investido em empresas Portuguesas, ou em Formadores e Professores Portugueses, ao invés de o ter desperdiçado em empresas americanas.

Muito destas opções devem-se ao enorme lobbie, há muita falta de informação, quer nossa, quer dos (supostos) técnicos de informática, quer dos nossos governantes, face aos prós e aos contras em optar por software livre ou por software proprietário.

Pela Europa tem-se registado uma mudança drástica, os governos, que têm de obedecer a fortes reduções de custos, estão agora abertos à discussão e a migrar para software livre em muitas das suas plataformas e soluções. Resultado, a Comissão europeia acaba de informar que a estrutura militar Francesa acaba de poupar milhões de euros na adopção de software livre, quer em plataformas, quer em sistemas operativos e software (cerca de 15.000 licenças). Este é apenas um exemplo, mas em quase todos os países da União Europeia têm-se registado migrações e poupanças de milhões de euros.
Felizmente a AMA (Agência para a Modernização Administrativa) tem vindo a desenvolver várias iniciativas, e a propor alterações que são muito bem vindas, mas ainda há muito trabalho a fazer.

Existem quatro questões principais que impedem a adopção, ou mesmo o conhecimento para a total migração que ainda não foi efectiva em Portugal.

Migração
Portugal, mais concretamente o Ministério da Educação, continuou a dar um tiro no pé com todo o plano tecnológico. Em primeiro lugar foi incorrecta a metodologia de adopção e implementação de software livre nas escolas. Se temos dois sistemas operativos à escolha, será óbvio que a utilização recairá sobre aquela que melhor se conhece.
A abordagem devia ter sido diferente, a habituação deveria ter sido feita em Microsoft Windows com todas as ferramentas livres disponíveis. Depois do aluno e do professor estar habituado ao novo software, a migração seria transparente e única coisa que mudava seria o sistema operativo.
O Magalhães foi outro tiro, desta vez no pé esquerdo. O nosso Magalhães é um portátil desenhado (na sua origem) para correr coisas leves, como sistemas operativos livres. Colocar-lhe Microsoft Windows foi como fazer furinhos pequenos à Nau de Fernando de Magalhães e lança-lo ao mar.

Suporte
Ainda existe uma nuvem negra no nosso país sobre o suporte ao software livre. Nada poderia estar mais errado. Existem enumeras empresas Portuguesas a dar suporte e mesmo a produzir software livre. As nossas melhores universidades (Évora, Coimbra, Aveiro, Porto, etc.) estão a desenvolver muito software livre. Para além disso, a manutenção e o suporte acaba por ser muito mais rápido e eficaz num sistema operativo ou num programa que se pode ver por dentro, do que num que não se pode.

Segurança
Quem pensa que software livre não é seguro, é porque foi muito mal informado, ou nunca experimentou.
Qualquer um que tenha experimentado e migrado, as mudanças radicais são visíveis, primeiro, apenas quem tem password pode alterar o que quer que seja, segundo, acabou-se o pesadelo de vírus e derivados. Só isto faz com que a maior parte dos utilizadores se sintam mais seguros e descansados face a outras opções.

Liberdade nos Documentos
Hoje em dia, com a evolução dos softwares e da consciencialização das empresas, questiona-se até que ponto a utilização de ferramentas proprietárias permitem uma liberdade tecnológica aos seus utilizadores (isto é, a liberdade de poder permutar de software sem a perca da sua integridade), e a interoperabilidade dos seus sistemas informáticos com os dos seus parceiros profissionais ou pessoais.
Deste a adopção por parte da União Europeia ao Open Document Format, que se veio a tornar o ISO/IEC 26300 para a definição de documentos, as entidades e os governos estão “obrigados” a disponibilizar a sua documentação em formatos livres e abertos. Na prática isto permite que ninguém tenha que pagar por software para produzir os seus documentos, e ao mesmo tempo, que todos o possam consultar e partilhar, num ambiente de interoperabilidade.

É importante que toda a sociedade tenha a noção que existem outras opções, permitindo a todos reduzir custos nas licenças onerosas, e nem por isso é assim tão difícil a evolução e adaptação ás ferramentas de software livre.
Por quanto tempo mais vai deixar que os seus impostos sejam esbanjados em ferramentas para as quais existem outras opções, quase sem custos, para si e para a sua empresa? É hoje que vai mudar?

Recursos

Segundo o meu colega Jorge Cabral, passo a citar “A DGRHE mudou para software livre a sua plataforma de gestão de recursos humanos ( https://sigrhe.dgrhe.min-edu.pt/ ). Utiliza agora o OpenERP que utiliza como servidor de base de dados o PostgreSQL (livre/gratuito) e é escrito em Python (livre/gratuito). Um bom sinal.”

Desde que fiz este post, só tem aparecido boas notícias.

http://tek.sapo.pt/noticias/computadores/ce_diz_que_standards_abertos_podem_poupar_mil_1324066.html

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

19 + 17 =

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>