Portugal+Microsoft=Espionagem GostNet

Anti-Microsoft
Anti-Microsoft

Este é um post que sem dúvida já ando para escrever há muito tempo. Este é também um post de agradecimento aos nossos políticos dos últimos mandatos por terem “vendido” a sua alma (e a nossa, é claro) a gigantes monopolistas em vez de terem dado ouvidos ao povo, aos profissionais da informática e aos especialistas de segurança portugueses dignos desse nome, os quais respeito e apoio, por estarem entre os melhores ao nível mundial.

Por favor percam um pouco da vossa vida singular a ler o relatório lançado pela Trusted Tecnologies, que embora o acho simples, elementar e reduzido, ilustra muito bem o panorama actual, não só dos sistemas informáticos dos organismos do nosso Estado, como também, não se esqueçam, provavelmente da empresa onde trabalham.

A aposta da “GostNet” em ataques maioritariamente às tecnologias na empresa de Redmond, é, claro está, a insegurança a si aliada, e tantas vezes discutida. Para ajudar, à boa moda portuguesa, a segurança é assegurada pelo “filho do tio que até sabe umas coisas de computadores lá da empresa”. Quanto aos profissionais e responsáveis pela  informática do Estado, não discuto, mas ou se aplica a mesma regra, ou adormeceram durante muito tempo, tempo demais até.

Viva o Magalhães
Viva o Magalhães

Como é que isto aconteceu?

  • Ora bem, questionem primeiro o que é que o senhor Steve Balmer veio cá fazer a 3 de Outubro de 2008, notícia que podem ver no jornal Sol.
  • Depois podem perguntar também aos nosso governantes como é que conseguimos gastar mais em licenças Microsoft que em ambulâncias, vasta comprovar aqui (já vos fiz a pesquisa e tudo)!
  • Podem também perguntar, como é que um portátil minúsculo chamado de Magalhães desenhado para trabalhar com sistemas operativos simples e básicos, ganha a instalação de um sistema operativo que é lento, cheio de vírus e spyware, e que coloca metade das crianças deste país a braços com problemas que nem eles nem os professores sabem resolver? (sim, esquecem-se que os professores não são técnicos de informática). Já agora, Hugo Chaves que adquiriu o nosso portátil Magalhães descarta completamente Microsoft e instala o seu próprio sistema operativo Linux desenvolvido na Venezuela. E nós, que temos Linux Caixa Magica? Está instalado mas não os vejo a usar…
  • Poucas notícias tenho ouvido sobre o Linius, projecto desenvolvido em Portugal que supostamente iria dotar o Ministério da Justiça com sistemas baseados em ambiente Unix e formatos de documentos normalizados. A última notícia é de 2006 assim como a sua última distribuição.
  • Não seguimos, de todo, a tendências europeias de migração para ambientes de software livre e formatos standard, como tão bem defende o meu amigo e deputado Bruno Dias junto com a sua equipa no Software Livre no Parlamento (cuidado, é um DOC 🙂 ), o qual recebeu e com todo o mérito um dos  prémios ESOP.

Para voz dar um bom exemplo do que está a acontecer, o estado de  Massachusets e a Bélgica, Brasil, Croácia, Dinamarca, França, Alemanha, Japão, Malásia, Holanda, Noruega, Polônia, Rússia, África do Sul, Suíça, Uruguai e Venezuela aderiram ao ODF que já aqui referi varias vezes no meu blog. Além disso, aderiram ao ODF dois departamentos espanhóis, dois na Índia, um na Argentina, um na China e o Estado do Paraná.

Vamos continuar? Ou vamos mudar de uma vez por todas?

Eu já comecei….

12 Replies to “Portugal+Microsoft=Espionagem GostNet”

  1. skizofrenik Portugal Windows XP Mozilla Firefox 3.5.5 says:

    Eh pah.. Juro que não percebo qual a lógica de artigos como o teu..

    Apareceram pc’s tugas na GhostNet? E daí?
    Apareceram muitos outros de países que citas como exemplos a seguir.. E será sempre normal tal voltar a acontecer independentemente do S.O. em causa. Basta haver alguém com vontade suficiente para tal.

    O Balmer veio cá em negócios? Que esperavas? Pensavas que tinha vindo cá para provar os pastéis de Belém, não?
    O papa vêm cá para o ano e basicamente com as mesmas intenções, sabes?

    Gasta-se mais em Microsoft que em ambulâncias? Não percebi onde queres chegar com esta..
    Por ti, todos os médicos, enfermeiros e bombeiros deste país deveriam ter uma, não?

    E o Magalhães, devia vir instalado só com Linux para ter a tua aprovação, não era?
    É que os que já me passaram pelas mãos vinham com dual boot Caixa Mágica/XP mas isso aparentemente não chega.. (mesmo sabendo à partida que se viessem unicamente com Linux, a primeira coisa que a maioria fazia, era meter-lhes uma cópia pirata do XP).

    E já que falas em exemplos, dá uma vista de olhos nos últimos desenvolvimentos do de Munique: http://limuxwatch.blogspot.com/

  2. Nem tudo tem que ter a mesma lógica para todos…
    Com certeza não analisaste muito bem o relatório, nem aprofundaste a problemática que o envolve.

    Claro que o Balmer veio cá em negócios, isso é óbvio, mas parece que não entendeste a mensagem subliminar anterior, também não te posso obrigar a entender esta.

    Aconselho-te também a veres com os teus próprios olhos os custos que bombeiros e INEM tem com as ambulâncias, que obviamente são necessários e a comparares o números demográficos relativos ao envelhecimento da população dos últimos anos, entre outros factores que se relacionam indirectamente. Luz?

    Sim, tal como fez a Venezuela e o Brasil, e a pergunta que deves fazer é: Porque não? Porque razão não apostar num produto português? Porque não apostar na evolução e preparar os nossos filhos para o futuro? Porque não utilizar já standars europeus?

    Pergunta, quantos Magalhães já tu tiveste de arranjar?

    Luz?

    Mas claro, já percebi que és dos que preferem andar para traz e apostar em instalar software ilegal, e continuar a ensinar às gerações vindouras TIC na óptica do utilizador e a limitar infinitamente a interoperabilidade, a funcionalidade….

    Pensa nisto!

  3. no melhor pano cai a nódoa. diz-se “normalizados” e não “estandardizados”. A não ser que sejas adepto do “acôrdo” ortográfico. 😉

  4. quanto ao linius, cheira-me q o “fim” do linius coincide com a saida do mario valente do itij, aposto que desde que ele saiu de lá mais ninguém mexeu naquilo

  5. Jose Andrade United Kingdom Windows 7 Internet Explorer 8.0 says:

    Lendo a noticia do SOL vejo que o Balmer veio com “O objectivo da visita é reconhecer o trabalho da filial portuguesa da empresa, considerada a melhor do mundo em 2008, e estabelecer contactos com empresários e governantes portugueses”. Realmente não fala em pasteis de belém.

    Escapou-me alguma coisa?

  6. Ainda pior que isso é a legislação que é feita. A sua inconstitucionalidade.
    Veja-se o caso dos dec.lei da certificação energética das habitações.
    Obriga a utilizar uma aplicação (Solterm) que é feita por uma entidade publica (INETI) e que só existe para ambiente Windows.

    Ou seja para ser perito qualificado é obrigatório ser windowsuser.

  7. skizofrenik Portugal Windows XP Mozilla Firefox 3.5.5 says:

    Decididamente, nem tudo tem que ter a mesma lógica para todos..

    Gostava então que explicasses qual é afinal a ‘problemática’ por detrás desse relatório!
    Para mim, esse relatório apenas afirma (não duvido da sua veracidade, apesar de ter tido uma publicidade fantástica à custa disso) que existiram (existem?) pc’s do estado Português com algum s.o. da Microsoft, infectados e possivelmente a disponibilizar informação sensível.
    É grave? Sim, sem dúvida!
    É possível impedir que tal volte a acontecer? Não, nunca! E isto independentemente da escolha do s.o., apesar da tua tentativa de associação deste tipo de problemas exclusivamente aos produtos da Microsoft.
    No entanto, se achas que houve algo de significativamente relevante que me tenha escapado na altura, sou todo ouvidos..

    Quanto ao Balmer, p.f. explica lá a parte subliminal para que todos possamos aprender contigo!
    É que, ou tiveste acesso a informação privilegiada ou então estás a confundir teorias de conspiração com a realidade..
    Se quiseres fazer especulação, não te vão faltar teorias a envolver o estado Português/administração pública e a SUN, a Cisco, a IBM..

    O terceiro parágrafo, bem.. ou eu estou com pouca vontade de o entender ou tu meteste os pés pelas mãos ao tentar justificar o injustificável. 😉

    Sim, vários países fizeram essa mudança, embora alguns a tenham feito por motivos alheios à tecnologia em si!
    A Venezuela fez a sua opção, acima de tudo, por uma questão politica, o Brasil por uma questão económica, a Rússia ameaçou fazer o mesmo apenas para poder regatear preços mais baixos, na Europa, os que o fazem, fazem-no alegando independência tecnológica face aos americanos..
    Pessoalmente, e no que ao estado Português diz respeito, sou apologista do uso de software open-source por vários motivos descritos acima, embora te custe a acreditar!
    No entanto, há uma diferença assinalável entre a teoria e a realidade com o exemplo de Munique faz questão de nos lembrar.
    Os Magalhães, por outro lado, não são para funcionários públicos nem ferramentas exclusivas de trabalho! Os jovens devem ter efectivamente oportunidade de escolha para poderem decidir. Impor o uso exclusivo de Linux é limitativo ao mesmo tempo que vai contra a sua própria filosofia, ou não?
    Já agora, é irónico dizeres que nem alunos nem professores sabem resolver os problemas “do Windows” porque não são técnicos de informática. Se os Magalhães viessem exclusivamente com Caixa Mágica já sabiam? Não me parece.. No mínimo seriam outros os problemas!

    Quantos Magalhães tive de arranjar? Poucos, a minha profissão não é arranjar Magalhães..
    Mas que têm isso a ver?

    Luz?

    Por fim, gostava de saber onde foste buscar a ideia de que sou “dos que preferem andar para traz e apostar em instalar software ilegal”.
    Penso ter dito precisamente o oposto no meu comentário inicial..

    Cumps!

  8. Há um dado que dás por adquirido que pode não estar correcto:

    “Depois podem perguntar também aos nosso governantes como é que conseguimos gastar mais em licenças Microsoft que em ambulâncias, vasta comprovar aqui (já vos fiz a pesquisa e tudo)!”

    É que os dados disponibilizados nesse site apenas cobrem contratos públicos adjudicados por ajuste directo e nenhum dos outros procedimentos estabelecidos por lei, mormente os comuns concurso público e concurso limitado por prévia qualificação.

    Até por limitação legal, os contratos de maior valor não podem ser atribuídos por ajuste directo, excepto em alguns casos previstos. O procedimento-regra é mesmo o concurso público.

    Em tempos sugeri a quem de direito que este dever de publicação online que se cinge ao ajuste directo deveria cobrir os restantes procedimentos. Didn’t happen.

  9. Caro José Andrade….
    Eu traduzo, veio reforçar os laços com o estado, diversas empresas e outras entidades, especialmente as escolas e escolas superiores, criando protocolos e baixando preço a licenças. Entre empresas poderás considerar a JP Sá Couto por exemplo.
    A questão é, ele não nos veio fazer favor nenhum, pelo contrario, veio arranjar meios de vender o seu peixe. É óbvio que está no seu direito, mas não é isto que queremos para um Portugal já sobre-endividado….

    Vejam a resposta do Kinkas… explica muita coisa!

    Já agora relembro que temos o PODER e as EMPRESAS em Portugal para mudar o rumo, temos estudantes a criar milhares e milhares de linhas de código todos os anos em universidades que dantes ficavam guardadas em estantes (e muitas ainda ficam). Hoje é diferente, temos milhares de estudantes e profissionais a contribuírem para projectos de software livre, a melhorar e a introduzir novas ideias…

    Qual é a diferença então? Apostar em software livre apostamos internamente e contribuímos para a evolução dos demais, podemos reduzir a divida externa, podemos aportar mais em formação, qualificar mais profissionais, e não enfiar mais milhões no “cu” da Microsoft!

  10. skizofrenik
    “É possível impedir que tal volte a acontecer? Não, nunca! E isto independentemente da escolha do s.o.”
    Desculpa, é porque não leste o relatório e não conheces grande parte do trabalho que se faz em *unix e que deveria ter sido feito em segurança. O ataque assentou maioritariamente em problemas de segurança relacionados com o SO da M$, e não com outros.
    Como todos sabemos, GNU/Linux é mais seguro, MAS TAMBÉM depende de quem está do outro lado, e existem metodologias praticas e simples para que isso não acontecesse.

    Quanto ao Balmer já respondi!

    Sim está-me a custar acreditar que defendas o software livre tanto como dizes, mas pelo menos nisso estamos no mesmo barco.
    Quanto ao Magalhães, pergunto-te (já que não tiveste de arranjar tantos Windows como eu tive), tens sentido dificuldade de adaptação por parte dos mais novos à mudança de SO (entre M$ e *Unix?)? Eu não… aliás, são mais rápidos que eu) Significaria assim uma limitação tão grande como dizes à escolha deles?
    E sim, acho que não os limitaria, de todo, pelo contrario, e reduziria os problemas…
    Todos os que me passaram pela mão que não tinham problemas de hardware, ligavam à rede wireless, abriam o open office, abriam os jogos, abriam o pidgin, actualizavam, e, espanta-te… Não tinham vírus nem eram lentos!

    Quanto ao último paragrafo, a partir daqui “a primeira coisa que a maioria fazia, era meter-lhes uma cópia pirata do XP” deduzi que apoiasses a iniciativa, mas ainda bem que é o contrário!

  11. skizofrenik Portugal Windows XP Mozilla Firefox 3.5.5 says:

    Adriano,

    Todos os sistemas operativos têm problemas de segurança.
    O Windows não vêm com vírus, worms e spyware out-of-the-box! Quando tal acontece, em 99,9% dos casos, o único responsável é o utilizador que têm por hábito carregar em tudo que lhe aparece pela frente e que corre o seu Windows como administrador para não se chatear muito com limitações. Se todos estes utilizadores fossem obrigados a usar Linux, BSD ou qualquer outro s.o. (com o market-share actual do Windows), a história repetir-se-ia.
    Atrevo-me até a dizer que a maioria dos utilizadores não considera os vírus, worms e spyware um problema porque não os afecta directa ou indirectamente. Regra geral, só começam a dar importância quando o pc começa a dar blue-screens ou os impede de fazer qualquer coisa.

    Sim, defendo o software livre, acredita!
    Não sou é radical a defender os meus pontos de vista..
    Cada caso é um caso e não há soluções milagrosas que cubram todos os cenários como alguns tentam fazer crer em relação ao Linux. Aliás, sempre me fez alguma confusão o porquê de serem sempre os utilizadores de Linux a crer impor as suas opções..
    Tecnicamente, os BSD’s sempre foram superiores, por exemplo, e no entanto, nunca vi a sua comunidade a desdenhar tanto.

    Em relação ao Magalhães, tal como te disse, poucos me passaram pelas mãos.
    Do que vi, não me pareceu haver dificuldades de adaptação porque simplesmente não o utilizavam!

    Cumps!

  12. É responsabilidade do user que o SO venha por defeito com acesso de administrador?
    É que no Windows é o que acontece desde sempre.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Security_through_obscurity

    E sim o windows é como se já viesse com vírus. Basta ligá-lo à net.

Deixe uma resposta

five × 3 =