ECDL (é Independente dos fabricantes?)

Numa conversa durante a entrevista que tive ontem na ANJAF, da qual envio já o meus parabéns pelo trabalho que tem vindo a desemvolver, surgiu a necessidade de algumas empresas de formação acreditadas terem de ter formadores tambem acreditados, nomeadamento com certificados que sejam reconhecidos (pelo menos) dentro da União Europeia.

Ora depois desta “discussão” em volta dos certificados e diplomas, e num momento em que estou a apostar na formação, decidi rever (mais uma vez, entre milhares) o meu Curriculum Vitae, e descubri dentro da minha pasta da ESTGAD (escola que agora se chama ESAD.CR) um Diploma de Competências Basicas em Tecnologias da Informação, o qual juntei ao meu CV.

Como todos sabem, defendo o software livre e os standards, e como tal tenho o meu CV em Europass e em PDF, mas olhando para traz começo a perceber que aquele diploma tem já de si um mau começo, até que chegamos ao ECDL, que é como quem diz, a “Carta Europeia de Condução em Informática, a ECDL – European Computer Driving Licence” e então percebemos até que ponto a coisa está “bichada”.

Para perceberem onde quero chegar analisemos primeiramente os objectivos da “ECDL Foundation” que transcrevo literalmente:

“Os valores da ECDL Foundation são:

  • Responsabilidade Social: como organização não lucrativa está empenhada em melhorar as competências digitais dos cidadãos e da sociedade. Os seus programas de certificação são desenhados para serem acessíveis a todos os cidadãos, independentemente da idade, sexo, posição social, habilitações ou raça.
  • Independente dos fabricantes: os Candidatos têm a liberdade e a flexibilidade de adquirirem e aplicarem as suas competências digitais em qualquer software.
  • Qualidade: é um valor sempre presente em tudo o que realiza e garante que todos os programas são implementados de acordo com os mais consistentes standards internacionais.”

Para quem leu com atenção ressalvo sem dúvida o segundo ponto, que especifica LITERALMENTE, IPSIS VERBIS, que esta certificação é independente de fabricantes.

Ora para quem é um interessado como eu em evoluir na “carreira” e especialmente juncar coisas ao meu CV que sejam STANDARD decidi, não só porque a entidade patronal o pedia, adicionar esta carta de condução ao meu curriculum, ate que cheguei aqui, aos sistemas de exames, o que passo a transcrever:

  • “Aprovado pela ECDL Foundation
  • Efectua exames num sistema totalmente automático, fiável e “user friendly”, sendo este um valor acrescido para os Centros de Certificação, providenciando exames de excelência aos candidatos
  • Funciona no ambiente real da aplicação
  • O sistema calcula automaticamente a performance do candidato pela contagem do tempo gasto para responder às questões
  • É possível exportar elementos estatísticos
  • Compatível com várias versões de software: Suporta as versões 2002 (XP) e 2003 do Microsoft Office em Português e Inglês. Brevemente: Office 2007 e Windows Vista
  • Fácil Integração
  • Compatível com as actualizações dos conteúdos programáticos: Syllabus
  • Abre automaticamente qualquer aplicação, bem como o ficheiro necessário para cada questão
  • Permite ao candidato responder, corrigir ou ignorar cada questão (e responder no final do teste às questões ignoradas)
  • 36 questões por teste com um tempo total de 45 minutos
  • É inclusivo: os exames podem ser efectuados por pessoas com necessidades especiais (Invisuais, etc)
  • O inAtes corre localmente, não é “web-based”
  • Optimizado mesmo para ligações lentas à Internet”

O que encontram a negrito e vermelho é a minha edição, ora será memso esta certificação assim tão TOTALMENTE INDEPENDENTE como dizem, reparemos então nos requisitos mínimos do concurso para centros de certificação:

2.2. Software

  1. Sistema Operativo Microsoft Windows XP (Português, Inglês)
  2. Microsoft Office 2003 ou XP suite (Português, Inglês)
  3. Microsoft Internet Explorer 6
  4. Microsoft Outlook Express 6
  5. Instalação completa do software em que o candidato fará exame
  6. Versões actualizadas, incluindo todos os service packs disponibilizados para o Sistema Operativo e Microsoft Office Suite

Ahh, pera lá, afinal isto é ou não é independente de fabricantes???

No entanto, após uma analise aos ficheiros ainda pude concluir que a ficha de candidatura, está previsto outros sistemas operativos Unix (que eu saiba a denominação correcta é GNU/*unix). Mas em que é que ficamos?

Deixo-vos livres para analisarem as certificações disponíveis, mas ora vamos lá pensar, então e se eu quiser fazer uma certificação em Open Office, Gimp e NVU, será que as posso fazer? Serei menos competente por usar sofware que ainda por cima ulitiza formatos standars da uninião europeia, o ODF?

ANSOL, que tal darem uma olhadela a isto?

One Reply to “ECDL (é Independente dos fabricantes?)”

  1. “MAI” NADA!!!!!

    As questões deveriam de ser do windows e linux, Word e Write, Excel e Calc, etc. Assim juntariam os dois programas mais usados de compra e livre.
    O problema é que desta forma o número de pessoas certificadas caia para uns provaveis 20% (estou a ser bonzinho!!!) e o dinheirinho não entrava. É melhor haver pessoas tipo burros, isto é, com pala nos olhos que só conseguem ver numa direcção do que haver abertura de conhecimentos.
    Eu sou formador de TIC e no processador de texto, por exemplo, tenho à minha disposição apenas o Word, felizmente que tenho uns CD’s Live da caixa mágica e dou duas ou três aulitas de Write. Quem sai beneficiado? Os formandos claro que saem sem palas nos olhos!

Deixe uma resposta

sixteen − fifteen =